Publicações OAB-GO

29/11/2022 23:00

Núcleo de Estudos Antirracistas da OAB Goiás é lançado durante abertura do 1º Congresso pela promoção da igualdade racial

Pela primeira vez a Ordem dos Advogados do Brasil - Seção Goiás (OAB-GO) por meio da Escola Superior da Advocacia (ESA) contará com núcleo de estudos antirracistas (NEGRO). A iniciativa inédita foi apresentada e lançada na noite desta terça-feira (29/11) durante a abertura do 1º Congresso Estadual Pela Promoção da Igualdade Racial, no auditório da ESA Goiás. 

O objetivo do Núcleo é abordar questões latentes envolvendo a conscientização acerca dos danos que o racismo provoca quanto aos saberes, culturas e histórias. Para dar início aos trabalhos de leituras, foi definido o livro “Crítica da Razão Negra” do autor Achille Mbembe. A leitura da obra servirá para que cada integrante do Núcleo possa debater sobre suas experiências e, consequentemente, ampliar seu conhecimento.

O vice-presidente executivo da ESA, Carlos André Pereira, enalteceu a importância do lançamento do grupo inédito que terá um encontro mensal, durante quatro meses. “Este é o primeiro núcleo de estudos antirracistas da Seccional Goiana. “Nós negros não seremos utilizados como marketing existencial, nós negros não seremos usados como propaganda de comércio. Porque nós nos reconheceremos aqui com ciência e com técnica. Esse é o objetivo da ESA Goiás com o lançamento do grupo”, prevê. 

O presidente da Comissão da Promoção da Igualdade Racial da OAB Goiás, Gustavo Nogueira Filho, ao celebrar a criação do mais novo núcleo de estudos da Ordem, destacou o desejo de se lançar dois projetos, um manual e um curso de qualificação, ambos antirracista. “Projetos inéditos também para qualificar e aprendermos enquanto advogados e sociedade, a como não ser racista e, sobretudo, como ser antirracista”, enfatizou. 

1º Congresso pela Igualdade Racial

A abertura do evento mais inclusivo da história da Seccional Goiana contou com a presença de autoridades do sistema OAB por meio das comissões realizadoras do congresso, a Comissão Especial da Promoção da Igualdade Racial (CEPIR), Comissão da Mulher Advogada (CMA), Comissão de Cultura (CC) e Comissão de Direitos Humanos (CDH).

Para a presidente da CDH, Larissa Bareato, o momento representa uma contribuição enorme “para a formação do conhecimento de todos nós. Estamos aqui para aprendermos e ouvirmos. Uma iniciativa para que tenhamos mais eventos desta magnitude com o intuito de promovermos a igualdade racial”, afirma.

Já a presidente da CC, Lídia Lamounier, é necessário, cada vez mais, oportunidades para mudar a falta de representatividade. “Nós precisamos de espaços assim para representarmos politicamente os nossos interesses. E a expectativa é de que tenhamos próximos eventos com muita representatividade da forma que está sendo promovida neste que é o primeiro congresso de igualdade racial”, reconheceu. 

Trazendo exemplos emocionantes de mulheres negras e escravizadas, a presidente da CMA, Fabíola Ariadne, conclamou a todos os presentes. "Precisamos que todos nós nos engajamos nessa luta contra o racismo. Por isso, aqui dentro desse Congresso iremos amplificar as vozes das mulheres negras”, garantiu.
 
Políticas públicas no combate ao racismo 

Representando o governador de Goiás, a superintendente da mulher e da igualdade racial da secretaria de desenvolvimento social (SEDS), Rosilene Oliveira Guimarães, enfatizou a disponibilidade da superintendência para gerar uma parceria em busca da igualdade de gênero e racial. “Nós garantimos, na superintendência, os assentos da representatividade da população negra, indígena, LGBTQIAP+ e todas as outras que são englobadas pelos direitos humanos”, destacou.

A representante do governo estadual apresentou as ações afirmativas “para construirmos um mundo melhor por meio de políticas públicas. Já temos uma delegacia especializada aqui em Goiânia, mas os nossos esforços não param por aí”, prevê a superintendente da mulher e da igualdade racial da SEDS ao falar de medidas para combater a intolerância.

O diretor-presidente da ESA de Goiás, Rodrigo Lustosa, abriu as discussões destacando a necessidade da luta contra o racismo e a busca pela igualdade. “Esse é um dos maiores eventos realizados na ESA Goiás, neste ano de 2022. Representa uma luta também da nossa gestão e nós a levaremos a diante. Não apenas dizendo, mas combatendo”, comprometeu-se.

A vice-presidente da Caixa de Assistência dos Advogados de Goiás (CASAG), Néli Cárita Máximo Figuerêdo, chamou a atenção com relação a exclusão e a desigualdade como temas centrais a serem trabalhos. “Por isso, devemos caminharmos ainda mais nas discussões para assim combatermos o racismo e alcançarmos a igualdade racial”, enfatizou. 


Confira aqui a programação completa do 1º Congresso Estadual Pela Promoção da Igualdade Racial.

Compartilhar / imprimir: