Publicações OAB-GO

30/09/2019 17:00

OAB-GO debate valorização da vida em evento de encerramento do Setembro Amarelo

A comunicação, base de um relacionamento, é também uma expressão de cuidado que pode salvar vidas. Essa foi a mensagem do psiquiatra Mauro Mendonça, que palestrou na tarde desta segunda-feira (30 de setembro) durante a abertura do II Simpósio Comunicar e Cuidar: Estratégias de Valorização da Vida, realizado na sede da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Goiás (OAB-GO). 

Organizado pela Comissão Especial das Advogadas Voluntárias (CEVA), o evento marca o encerramento do Setembro Amarelo, mês dedicado à prevenção do suicídio, e tem por objetivo reforçar o apoio à política de maior diálogo pela valorização da vida. Esta é uma parceria com Caixa de Assistência dos Advogados de Goiás (Casag), Escola Superior de Advocacia (ESA), Comissão de Direito Médico, Comissão da Mulher Advogada, Comissão da Advocacia Jovem (CAJ) da OAB-GO. O evento conta com o apoio de representantes de entidades como CVV, Instituto Olhos da Alma Sã e universidades.

Abertura

Durante a abertura, a presidente da CEVA e anfitriã do evento, Cecília Aires, agradeceu aos presentes e explicou que o evento foi idealizado no sentido de esclarecer, orientar, rever os conceitos anteriormente criados acerca do tema e buscar mecanismo de valorização da vida. “Temos potencial de sermos multiplicadores. Este é o nosso objetivo”, afirmou.

A diretoria-geral adjunta da OAB-GO, Delzira Menezes, diz que a seccional de dedica a tema de relevância social, como este, por entender o seu papel constitucional. Já a secretária-geral da Casag, Valéria Alves dos Reis Menezes, por sua vez, destacou que lutar pela vida é algo digno. “Viver é uma dávida”, destacou. A presidente da subseção de Trindade, Neli Carita Máximo Figueredo, por sua vez, destacou a necessidade de aprendermos a ouvir. “Ouvir é uma forma de salvar vidas”, disse. 

Ainda participaram do eventos: a conselheira seccional Marly Marçal, a presidente da Comissão Direito Sistêmico, Ismara Estulano; a repersentante da Comissão da Mulher Advogada, Ana Ceo; a presidente da Comissão das Mulheres Advogadas, Ariana Garcia; o ex-presidente do TED, Anderson Máximo; do CVV, José Fernando Tolentino.  

Palestras

O psiquiatra Mauro Mendonça destacou que a necessidade de nos desfazermos de crenças limitantes, nos valorizarmos (antes de tudo) e anos expressar. “Temos o preconceito de comunicar as dores da alma. As dores do corpo, não. Precisamos aprender a comunicar as dores da alma para cura”, disse. “Aprendemos que a solta a dor e nos fortalece (o choro) é sinal de fraqueza. Assim, aprendemos, a mentir e a esconder a dor.”

O psicoterapeuta Marcelo Albuquerque, por sua vez, frisou a necessidade de dedicação às relações com aqueles que nos circundam. “É preciso ajudar as pessoas a expressarem seus medos. A escuta é sempre um bom sinal.”



Compartilhar / imprimir: